Destaques arredondados Z2

6/Z2/ticker-posts

Publi topo do site

Publicidade:
Publi aqui - Portal Spy

AstraZeneca reconhece efeito adverso raro na vacina anticovid

Foto: Reprodução da internet

AstraZeneca reconheceu pela 1ª vez diante da Justiça que a sua vacina contra a covid-19 pode causar um “efeito adverso raro”. Segundo o jornal britânico The Telegraph, a farmacêutica é alvo de uma ação coletiva em que 51 famílias pedem indenização de até £ 100 milhões (cerca de R$ 650 milhões). Em documentos anexados ao processo, a AstraZeneca disse que o imunizante “pode, em casos muito raros, causar síndrome de trombose com trombocitopenia”. Chamada de TTS, a condição é caracterizada pela formação de coágulos de sangue e pode ocasionar o entupimento de veias e artérias.

Em uma carta enviada em maio de 2023 aos advogados de um dos requerentes, a AstraZeneca disse que “não aceita” que a vacina cause TTS “ao nível genérico”, mas reconhece que a condição pode, em “casos raros”, ser um dos efeitos adversos do imunizante. “O mecanismo causal não é conhecido”, declarou a farmacêutica. “Além disso, a TTS também pode ocorrer na ausência da vacina AZ [da AstraZeneca] (ou de qualquer vacina). A causalidade em qualquer caso individual será matéria para prova pericial”, completou. A vacina anticovid da AstraZeneca foi desenvolvida em parceria com a Universidade de Oxfo.

Em comunicado enviado à publicação, a AstraZeneca disse que a sua maior prioridade é a segurança dos pacientes. “As autoridades reguladoras têm normas claras e rigorosas para garantir a utilização segura de todos os medicamentos, incluindo vacinas”, afirmou. “A partir do conjunto de evidências de ensaios clínicos e de dados do mundo real, a vacina AstraZeneca/Oxford tem demonstrado, continuamente, ter um perfil de segurança aceitável e os reguladores em todo o mundo afirmam de forma consistente que os benefícios da vacinação superam os riscos de potenciais efeitos secundários extremamente raros”, acrescentou.

No Brasil, a vacina foi produzida pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz). O Ministério da Saúde disse, em nota emitida em abril de 2023, que “que todas as vacinas ofertadas à população são seguras, eficazes e aprovadas” pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e pela OMS (Organização Mundial da Saúde).

“A vacina fabricada pela empresa AstraZeneca/Oxford, desenvolvida no início da pandemia, e produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), foi extremamente importante para o controle dos casos e redução de óbitos por covid-19 no país e no mundo, salvando milhares de vidas. Desde dezembro de 2022, essa vacina é indicada para pessoas a partir de 40 anos, de acordo com as evidências científicas mais recentes”, disse o ministério.

“O atual cenário da covid-19 no país, com redução de casos graves e óbitos pela doença, é resultado da população vacinada. Os efeitos adversos, inerentes a qualquer medicamento ou imunizante, são raros e ocorrem, em média, um a cada 100 mil doses aplicadas, apresentando risco significantemente inferior ao de complicações causadas pela infecção da covid-19”, lê-se no comunicado.
                         



Postar um comentário

0 Comentários

Publicidade: