Destaques arredondados Z2

6/Z2/ticker-posts

Publi topo do site

Publicidade:
Publi aqui - Portal Spy

Ação da Prefeitura de Juazeiro combate ocupação irregular na Serra da Batateira


Como parte das atividades de ordenamento em áreas públicas, a Secretaria de Meio Ambiente e Ordenamento Urbano (Semaurb) da Prefeitura de Juazeiro (BA) realizou nesta sexta-feira (20) uma ação de desocupação de área na Serra da Batateira, localizada no Bairro João Paulo II. A fiscalização teve como objetivo garantir o cumprimento da lei de Ordenamento do Solo 018/2016, que confere ao Poder Público Municipal a prerrogativa de impedir qualquer tipo de ocupação, construção e invasão de áreas públicas. os trabalhos contaram com apoio da Guarda Civil Municipal (GCM) e Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE).

A Serra da Batateira abriga uma Área de Proteção Ambiental (APP) e possui significado paisagístico e cultural na região. No entanto, ao longo dos anos, a área enfrentou invasões e parcelamentos irregulares, ameaçando sua integridade ecológica e cultural.

“Já tomamos diversas medidas anteriormente para coibir essas invasões, mas elas persistiram. A serra, embora relativamente pequena, ainda mantém vegetação e abriga diversas espécies da fauna. Removemos cercas ilegais de lotes e estruturas construídas de forma irregular, reintegrando a área ao seu estado natural e protegendo o habitat dos animais que ali habitam“, disse o diretor de fiscalização ambiental, Hudson Duarte.

O titular da pasta, Islédio Bandeira, ressaltou que a ação é essencial para evitar que a Serra da Batateira seja transformada em uma área de ocupação desordenada. “Preservar o meio ambiente é dever de todos: poder público e comunidade. Uma das funções da Semaurb é zelar pelas áreas verdes do município de Juazeiro, e acredito que ações como esta são de extrema importância para proteger a natureza e o meio ambiente. As áreas verdes que cuidamos são como pulmões da cidade, especialmente nas áreas urbanas, onde a poluição é mais intensa. A invasão e degradação dessas áreas representam crimes ambientais que não podemos tolerar“, disse Islédio.

Postar um comentário

0 Comentários

Publicidade: