Destaques arredondados Z2

6/Z2/ticker-posts

Publicidade:
Publi aqui - Portal Spy

Alvo de operação com seis suspeitos mortos e 15 presos, facção criminosa é monitorada há seis anos na Bahia, diz polícia


A operação policial realizada contra uma organização criminosa que resultou em seis suspeitos mortos e 15 presos, na manhã desta sexta-feira (22), no bairro de Águas Claras, em Salvador, era planejada há um ano. Segundo a Polícia Civil, a atuação da organização criminosa responsável por 30 homicídios e tráfico de drogas é monitorada há cerca de seis anos.

"Existem investigações que já apontavam, desde 2017, e 2018, que diversos membros desse grupo eram envolvidos em crimes de homicídio. Então, já era um grupo monitorado e, diante do crescimento do número de homicídios no bairro de Águas Claras, a gente sentiu a necessidade de planejar uma operação contra esse grupo", disse a delega Fernanda Asfora, da Delegacia de Homicídios.
- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -

As informações foram divulgadas em entrevista coletiva concedida por representantes das policiais Federal, Militar e Civil, que coordenou a ação da operação "Saigon" . A PFR também integrou a mega-operação.

Ainda de acordo com as forças de segurança, a operação não tem relação com a ação realizada na semana passada na região vizinha, no bairro de Valéria, quando um policial federal e quatro suspeitos morreram em confronto.

"Essa operação não tem relação com a Operação Fauda, da semana passada, porque é uma operação que vem sendo planejada há um ano. É lógico que essa operação também ocorre dentro de um contexto de conflito entre facções criminosas", disse Fernanda Asfora.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, a ação desta sexta busca cumprir 43 mandados de prisão e de busca e apreensão contra um grupo suspeito de traficar drogas e matar mais de 30 pessoas, na região de Águas Claras, em Salvador.

Os mandados também são cumpridos pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) no município de Feira de Santana e no sistema prisional.

Das seis mortes, cinco aconteceram na região de Águas Claras e uma em Feira de Santana.

Entre os homens mortos estão, Eduardo dos Santos Cerqueira, mais conhecido como "Firmino", que de acordo com a Polícia Civil, é um dos chefes do tráfico de drogas no bairro. Ele é apontado por ser o mandante de diversos homicídios ocorridos na localidade.

Outro investigado que foi morto é Gilmar Santos de Lima, mais conhecido como "Capenga", que acumula uma extensa ficha criminal, com entradas por tráfico de drogas e homicídio. De acordo com a polícia, o homem era o gerente do tráfico na localidade de "Casinhas", em Águas Claras.


Durante a Operação Saigon, a mãe e a esposa de "Capenga" foram presas. A primeira estava com drogas e R$ 8 mil. Já a segunda estava com uma arma.

"Esse grupo é responsável por mais de 30 homicídios. É uma operação resultante do trabalho investigativo de mais de um ano conduzidas por equipes do DHPP, que reuniram informações de campo e utilizaram análises de dados de Inteligência e técnicas investigativas modernas, reunindo elementos de prova contra a atuação dos criminosos e permitindo a representação por medidas cautelares de prisão e busca e apreensão contra integrantes da organização", explicou a diretora do DHPP, delegada Andréa Ribeiro.

Secretário de Segurança Pública da BA fala sobre avanço de facções criminosas: 'problema nacional'
Todos os presos foram levados para a sede do DHPP onde ficarão à disposição da Justiça. Um dos mandados de prisão foi cumprido no sistema prisional contra um suspeito de homicídio. Todo material apreendido será encaminhado para o Departamento de Polícia Técnica (DPT).

Participaram também da megaoperação, equipes de vários departamentos da Polícia Civil e agentes das polícias Militar, Federal e Rodoviária Federal.

Mais de mil alunos sem aulas
A Secretaria Municipal da Educação (Smed) informou que por causa da sensação de insegurança no bairro de Águas Claras, as escolas municipais Eduardo Campos, Cantinho das Crianças, São Damião, Iraci Fraga e Francisco Leite estão com as atividades suspensas nesta sexta-feira (22). Ao todo, 1.769 estudantes estão sem aula.

O Colégio Estadual Santa Rita de Cássia, em Águas Claras, abriu, nesta sexta, mas por precaução, os poucos alunos que compareceram foram dispensados para voltar para casa.

Os colégios estaduais Noêmia Rego e Dinah Gonçalves, em Valéria, e o Nossa Senhora de Fátima, no Derba, abriram, mas registram baixa frequência.

Transporte desviado
Já a Secretaria Municipal de Mobilidade (Semob) informou que por causa da operação policial, os ônibus do transporte público de Salvador que operam nos bairros de Cajazeiras 7 e Águas Claras não estão seguindo até os respectivos finais de linha.

Em Cajazeiras 7, os veículos circulam na Estrada do Matadouro e de lá seguem o itinerário. Já em Águas Claras, os ônibus vão até o Largo Vitor Augusto Méier, conhecido como Largo da Mortadela.

Onda de violência
A Bahia vive uma onda de violência entre julho e setembro. Veja o histórico abaixo:

30 mortes em confrontos em uma semana
👉 Em uma semana, entre 28 de julho e 4 de agosto, 30 mortes em diferentes confrontos com policiais militares foram registrados na Bahia;
👉 Por causa das mortes, o ministro dos Direitos Humanos e Cidadania (MDHC), Silvio Almeida, disse que acionou a Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos para acompanhar os casos.

Tiroteios em bairros de Salvador
👉 Em Salvador, diversas trocas de tiros e ações com 17 reféns liberados fizeram moradores do bairro do Alto das Pombas deixarem suas casas em agosto;
👉 No dia 3 de setembro, 11 pessoas foram mortas em confronto com a Polícia Militar e oito foram presas no Alto das Pombas e Calabar, bairro vizinho. Mais de 15 armas foram apreendidas;
👉 A madrugada do dia 6 de setembro foi marcada por tiroteios em outros dois bairros da capital baiana: Engenho Velho de Brotas e Nordeste de Amaralina.
Operação com PF e quatro homens mortos

👉 Na sexta-feira (15), policiais federais, civis e militares fizeram uma operação para cumprir mandados de prisão contra um grupo criminoso. No local, os agentes foram surpreendidos por integrantes de uma facção que estava prestes a entrar em confronto com um grupo criminoso que atua na região;
👉 A operação terminou com um policial federal e quatro suspeitos mortos. Outros dois agentes (um civil e outro federal) ficaram feridos;
👉 Desde então, outros 11 suspeitos de participarem do confronto morreram em diversos bairros de Salvador e em Simões Filho. Ao todo, foram 14 suspeitos e um policial federal mortos, confirmados pela Secretaria de Segurança Pública da Bahia.

Ações de combate ao crime organizado
A Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA) e a Polícia Federal se reuniram no sábado (16), para discutirem ações de combate ao crime organizado e ampliação de esforços para que sejam encontrados todos os suspeitos de envolvimento no confronto que resultou na morte do policial federal Lucas Caribé.

De acordo com Werner, todos os recursos estaduais e federais estão disponíveis. Ele destacou que o trabalho integrado entre a SSP-BA e a Polícia Federal está focado no combate às facções criminosas.

Desde agosto, a Polícia Federal participa de operações na Bahia como parte de um acordo de cooperação entre o governo estadual e federal para reprimir a criminalidade no estado.

O grupo criminoso se escondeu em uma região de mata fechada, do bairro periférico da capital baiana, de acordo com a secretaria da segurança da Bahia.

Três viaturas blindadas da Polícia Federal foram enviadas à Bahia na segunda-feira (18), para reforçar o combate ao crime organizado. Os veículos foram embarcados em um navio da Marinha, no porto do Rio de Janeiro, e devem chegar até esta sexta-feira (22) à capital baiana.

Postar um comentário

0 Comentários

Ad Code

Publicidade::
Publi aqui - Portal Spy