Destaques arredondados Z2

6/Z2/ticker-posts

Publi topo do site

Publicidade:
Publi aqui - Portal Spy

Chuva em Porto Alegre: como foi a histórica enchente de 1941

Foto: Reprodução da internet

Até a semana passada, a pior enchente que havia atingido a cidade de Porto Alegre (RS) havia sido entre os meses de abril e maio de 1941. Segundo registros da época, reunidos pelo museu Joaquim Felizardo, a capital gaúcha recebeu 24 dias de chuvas de maneira ininterrupta.

Alguns registros da época dão conta que o nível do lago Guaíba chegou a 4,75 metros, enquanto outras publicações falam em 4,76 metros.

De qualquer forma, a situação da enchente deste ano é bem mais grave do que a de 1941. No último dia 4 de maio de 2024, o nível do Guaíba chegou a 5 metros pela primeira vez na história, tendo alcançado 5,3 metros no dia seguinte.

Os registros levantados pelo museu informam que, em 1941, cerca de 70 mil pessoas ficaram desabrigadas –o que equivale a cerca de um quarto da população da época.

Segundo registros, um terço dos estabelecimentos comerciais ficaram embaixo d’água por cerca de 40 dias.

“A cidade ficou ilhada: o alagamento atingiu o porto, a estação ferroviária e o Aeroporto Municipal. Um dos momentos mais críticos, foi quando a água atingiu a Usina do Gasômetro e deixou a cidade sem luz”, informa o museu.

Assim como ocorre neste ano, os registros informam que, depois da falta de luz, veio a interrupção do abastecimento de água. O transporte teve de ser feito por barcos e canoas, já que o trânsito de pedestres e automóveis não era possível.

Depois de a capital gaúcha ter sido castigada pela cheia de 1941, veio à tona o debate em torno da necessidade se construir uma barreira que protegesse a cidade contra enchentes.

Pouco mais de 30 anos após a ocorrência, em 1974, foi finalizado o chamado Muro da Mauá. A estrutura fica entre o cais Mauá e a avenida Mauá, no Centro Histórico de Porto Alegre, e tem 3 metros de altura e 2,6 quilômetros de comprimento.

Foto: Reprodução da internet

Uma reportagem da época, cujo recorte está no acervo da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), mostra que mais de 10 mil prédios foram atingidos pela enchente. “Um serviço popular de salvamento foi organizado por meio de canoas construídas às pressas e nem sempre seguras”, diz o texto.

Foto: Reprodução da internet

Em um artigo científico publicado em 2020, o pesquisador André Luiz Lopes da Silveira, doutor em Ciências da Água no Ambiente Continental e professor da UFRGS, afirmou que a situação da cidade em 1941 poderia ter sido ainda pior.

“Há que se considerar que o Guaíba antes da cheia de 1941 estava com nível d´água baixo, compatível com o normal esperado para abril, desta forma, pode especular que o mesmo evento chuvoso em outra época poderia resultar num coeficiente de escoamento maior, gerando uma cheia ainda maior.”

O pesquisador fez um levantamento da precipitação registrada em cidades gaúchas entre 13 de abril e 6 de maio de 1941. Veja abaixo:

Foto: Reprodução da internet


Postar um comentário

0 Comentários

Publicidade: